A chegada do inverno e das frentes frias logo faz pensar em ventos cortantes e agasalhos. Ficar em casa, embaixo de um cobertor ou ao pé de uma lareira, é a opção preferida entre a maioria das pessoas. A preocupação com a natureza e até com o corpo fica para as estações mais quentes – tanto que é na véspera do verão que se inicia aquela tradicional correria rumo às academias. Para a milenar filosofia do Yoga, entretanto, o inverno é a fase mais forte do ano quanto aos cuidados corporais e com a mente. O conhecimento desta arte oriental, pode ser especialmente interessante nestes dias de frio.
“Dentro da natureza, o inverno é importante porque é a época na qual as raízes se fortificam. Se elas não são fortes, não teremos sementes nem boas colheitas”, diz o professor de Yoga Lui Fernandes, fazendo uma comparação entre a natureza e o ser humano. Esse paralelo parte de um dos princípios do Yoga: o homem é um microcosmo que contém todos os elementos do universo, por isso nada mais natural do que vivenciar as estações do ano assim como uma árvore o faz, por exemplo. “A semente, no caso do homem, é tudo que podemos realizar de bom. Nesse sentido, o inverno é mais forte porque você se cuida mais, olha para dentro e cuida das suas raízes. Quando chega a primavera, a pessoa renasce, desabrocha”.
Seguidor do Yoga Integral de Sri Aurobindo (Purna Yoga), o professor conta que existem exercícios indicados para o inverno. “Os exercícios respiratórios e de auto-relaxamento aquecem. Nas baixas temperaturas, a tendência de ficar encolhido aumenta o sofrimento e causa tensão. Se nos despojarmos disso, não sentiremos tanto frio”, diz. A alimentação nesta estação também requer cuidados. “Deve ser baseada nas raízes: cenoura, beterraba, nabo, mandioca, etc. E também fibras e cereais. Com as proteínas, nada de excessos”.
Mas o alimento mais importante para o homem, segundo o Yoga, é o da Alma, baseado em quatro fundamentos: amor, conhecimento, poder e beleza. Partindo dessa busca, utiliza exercícios físicos para sintonizar mente, corpo e respiração – seja no inverno ou em qualquer outra estação. Um movimento pode beneficiar vários órgãos, liberando a energia que esteja acumulado neles. Tudo tem que funcionar com integração total e por isso o autoconhecimento é fundamental. “Temos que nos descobrir para termos metas bem definidas”. Muitas doenças são causadas pelo distanciamento das pessoas. “Elas se distanciam do corpo, que se ressente e então se manifesta”.

EXERCÍCIOS PARA RESPIRAÇÃO

Na busca por uma saúde melhor no inverno, os exercícios de respiração do Yoga podem ser muito úteis. O Professor Lui Fernandes indicou dois deles que vão ajudar as pessoas a enfrentar o frio e os problemas que vem junto (geralmente respiratórios), São movimentos básicos, que não requerem nenhum conhecimento anterior. Basta estar sentado confortavelmente, num local tranquilo, e concentrar-se. “ A respiração é estar ligado com a alma e o seu ser interior. É fundamental para o equilíbrio e auto-controle”, diz Lui. “Apesar disso, não tem grandes segredos. O próprio Yoga é assim, temos que buscar a calma que está dentro de nós”.
PURIFICAÇÃO – Inspirar lentamente, preenchendo os pulmões. Cerrar os dentes e expirar pela boca, bem devagar. O ar deve sair por entre os dentes – o barulho lembra o de um pneu furado. Expirar até esvaziar os pulmões. Isso força os pulmões a liberar toxinas, detritos e impurezas que ficam no fundo destes órgãos. Elimina-se o gás carbônico e trabalha-se o diafragma. “Temos de levar a respiração até a base dos pulmões, na parte abdominal. Ao respirar, sentimos um volume leve no abdômen”, explica Lui. Para começar, 10 respirações são suficientes.
RESPIRAÇÃO POLARIZADA – A respiração é trabalhada alternadamente: inspira-se pela narina esquerda enquanto veda-se a direita com a mão. Então expira-se pela direita, fechando a esquerda. E assim prossegue-se sucessivamente, sempre trocando de lado. Pode-se começar com 10 repetições. “O objetivo é um equilíbrio nos pulmões e também no corpo todo. Movimentamos as duas energias que nos mantêm, a do lado direito – solar e masculina (Ida, em sânscrito) – e a do lado esquerdo – lunar e feminina (Pingala). Com este exercício, as duas circulam e se equilibram. Se a esquerda estiver fechada, a direita provoca uma equalização. É esta energia que sustenta toda a Vida”.
Texto realizado por Lui Fernandes, professor de Yoga e proprietário da escola Ashram Monserrat.

Comentários